NOME NOME NOME NOME NOME

03/06/2019

BRIGA POR VENDA DE DROGAS PODE TER MOTIVADO MORTES DE MÃE E FILHA DE 4 ANOS NO RN



Delegado de Nísia Floresta, Marcelo Aranha, informou que o alvo seria Leonardo Carneiro, marido de Maiara e pai da pequena Lara Emili
Mayara Maria da Silva, de 20 anos, e Lara Emmilly, de 4 anos, foram executadas a tiros em Nísia Floresta, na Grande Natal. Mulher estava grávida. — Foto: Reprodução
Briga por disputa de território para venda de drogas pode ter motivado o atentado que vitimou uma mulher grávida de 4 meses e sua filha de 4 anos. Maiara Maria, 20, e Lara Emili foram mortas a tiros na madrugada de domingo (2) entre os distritos de Golandim e Currais, no município de Nísia Floresta, Região Metropolitana de Natal.
O marido de Maiara Maria e pai de Lara Emili, Leonardo Carneiro de Lima, foi baleado, mas sobreviveu e foi encaminhado para o hospital. Segundo a Polícia Civil, ele seria o alvo dos criminosos. “As informações que chegaram para a polícia são de que ele seria traficante na região e estava invadindo território já dominado por facção criminosa”, explicou o delegado de Nísia Floresta, Marcelo Aranha.
O delegado responsável pela investigação informou que interrogou a vítima ainda no hospital Walfredo Gurgel no domingo, pois existe mandado de prisão contra ele na comarca da cidade de Arês. “Ele foi interrogado e já foi dada voz de prisão, mas não podemos falar sobre o motivo do mandado, pois é sigiloso”, afirmou Aranha.
Leonardo Carneiro voltava de um bar no distrito de Golandim entre 2h e 3h do domingo, com a mulher grávida e a filha em uma bicicleta, quando foi surpreendido por dois homens em um veículo. Os criminosos atiraram na família. Mãe e filha morreram no local. A Polícia Civil também informou que Leonardo já vinha sendo ameaçado e por isso saía tarde da noite com a esposa e a filha confiando no fato de que estar com elas poderia protegê-lo da ação dos bandidos.
A Polícia Civil informou que já tem possíveis suspeitos para o crime, mas ainda não serão revelados nomes para não atrapalhar a investigação.
Na noite de domingo, a população incendiou a casa de um suspeito no distrito de Currais, mesma localidade onde a família morava. O delegado alerta que a população não deve fazer justiça com as próprias mãos.
Os pais de Maiara relataram que já vinham alertando a filha para o perigo das companhias e no que isso poderia resultar. “Isso aí é um exemplo que o jovem tem que escutar o conselho dos pais. Quando entra nesse lado aí, ou é cadeia, ou cemitério”, disse José Modesto, pai de Maiara.
Nailde Silva, mãe da vítima, disse que tinha medo do que podia acontecer com a filha e a neta e alertava todos os dias. Uma tia que preferiu não se identificar contou que a população já sabe quem são os criminosos. “Todo mundo sabe quem foi, só cabe a Justiça de Nísia resolver. Elas não tinham nada a ver com isso, mas por um pagam todos”, disse a tia.
Incêndio aconteceu no momento em que os corpos das vítimas estavam sendo sepultados. Não havia ninguém na residência. — Foto: PM/Divulgação
OP9

comentário(s) pelo facebook:

Um comentário:

  1. A família da mulher podia, pelo menos, ter tirado a menininha do ambiente em que o criminoso vivia, pois já sabiam dos riscos que mãe e filha corriam. Se a mãe da garotinha não quisesse abandonar o marido, mesmo sabendo dos riscos que estava correndo, não podia ter deixado que a garotinha inocente continuasse correndo perigo por conta da irresponsabilidade dos próprios pais. Foi injusto e pecaminoso ter deixado que a criança morresse assim, e de forma tão violenta. Esses bandidos não perdoam mais nem uma criança. Esse mundo já chegou ao fundo do poço, não tem mais jeito.

    ResponderExcluir

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste blog. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
* NÃO SERÃO AUTORIZADOS COMENTÁRIOS COM PALAVRAS DE TEOR OFENSIVO COMO XINGAMENTOS, PALAVRÕES E OFENSAS PESSOAIS.