NOME NOME NOME NOME NOME NOME

31/12/2017

DESEMBARGADOR DETERMINA PRISÃO DE POLICIAIS DURANTE PARALISAÇÃO NO RN



Comandantes devem prender militares que incitem "estado de greve". Decisão foi tomada neste domingo (31) e atende a pedido do governo do estado.
O desembargador Cláudio Santos, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), determinou que os comandantes da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros e o Delegado Geral da Polícia Civil do estado prendam os policiais reponsáveis por incitar, defender ou provocar a paralisação iniciada no último dia 19. A decisão foi favorável a um pedido do Governo do RN, que argumentou que os servidores da segurança desobedeceram à primeira decisão da Justiça, no domingo (24), que considerou o movimento ilegal.
"Considerando a desobediência flagrante a uma decisão que foi tomada pelo Tribunal de Justiça (pela desembargadora Judite Nunes), novamente o estado veio aos autos pedindo medidas complementares para que o movimento de greve seja suspenso imediatamente", afirmou o desembargador Cláudio Santos.
De acordo com o desembargador, a determinação é para que todos os policiais e bombeiros que estejam "incitando, defendendo ou provocando em qualquer meio de comunicação o estado de greve" sejam presos em flagrante delito pelo crime de desobediência e, no caso dos policiais militares, motim. "Fato é que a Constituição da República não tolera greve para policiais civis e militares", afirmou o desembargador em entrevista.
Ainda de acordo com Cláudio Santos, o atraso do pagamento dos salários não pode sobrepor a lei e a greve deve parar para que haja tranquilidade da população e turistas do estado. "É uma medida de força. A Justiça agora age de maneira mais forte para que essa greve termine", pontuou.
O magistrado ainda decidiu que os policiais tenham transporte gratuito nos transportes públicos e que o estado possa alugar carros (para uso das polícias) sem licitação.
Salários
Os policiais militares e bombeiros estão aquartelados desde o dia 19 de dezembro, em protesto contra atraso de salários. Eles anunciaram a operação 'Segurança com Segurança' e informaram que só deixariam os batalhões com carros e equipamentos de proteção em bom estado de uso.

G1-RN

comentário(s) pelo facebook:

9 comentários:

  1. Próximo ano têm eleições em meu povo...Nós potiguares estamos mais espertos que nunca...

    ResponderExcluir
  2. Gostaria de saber se este desembargador estar com salário atrasado ou não recebeu 13 salário determinar de bolso cheio é fácil e não é pouco não é o salário mais alto do país é o salário do judiciário

    ResponderExcluir
  3. Gostaria de saber se este desembargador estar com salário atrasado ou não recebeu 13 salário determinar de bolso cheio é fácil e não é pouco não é o salário mais alto do país é o salário do judiciário

    ResponderExcluir
  4. Determine o pagamento dos salários dos nossos guerreiros aí sim é o certo

    ResponderExcluir
  5. Era pro desembargador mandar prender o governador, por deixar o estado um caos,mais é da mesma panela.

    ResponderExcluir
  6. Era pro desembargador mandar prender o governador, por deixar o estado um caos,mais é da mesma panela.

    ResponderExcluir
  7. Faça isso não seu desembargador onde fica a moral agora?
    Que eu saiba quem está errado é o governador e não os PMs.

    ResponderExcluir
  8. ESSE TAL DESEMBARGADOR ESTA COM O SALARIO DELE "BEM GORDO", DIGO "BEM GORDO" EM DIA, NÃO ESTA NEM AI PARA O RESTO DA POPULAÇÃO AI FICA PEDINDO PRISÃO PARA OS POLICIAIS, E FÁCIL DE RESOLVER!!! PAGUE O SALARIO DELES, COLOQUE EM DIA, (VERGONHA...,VERGONHA...,VERGONHA...,VERGONHA...,VERGONHA...).

    ResponderExcluir
  9. Culpa do povo que votaram nesse corrupto,esqueceram que ele era vice da ex governadora? Continuou a sujeira que ela deixou.Absurdo!😡

    ResponderExcluir

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste blog. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
* NÃO SERÃO AUTORIZADOS COMENTÁRIOS COM PALAVRAS DE TEOR OFENSIVO COMO XINGAMENTOS, PALAVRÕES E OFENSAS PESSOAIS.