NOME NOME NOME NOME NOME

13/12/2018

PM's DO RN AMEAÇAM NÃO SAIR PARA AS RUAS NESTE FIM DE ANO



Com a negativa pelo TJRN de liberação dos recursos para pagamento dos servidores do Estado, sindicatos e associações dos agentes ameaçam repetir a paralisação deflagrada em dezembro do ano passado
Com a negativa dada pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN) sobre a liberação de recursos de royalties para o pagamento dos servidores do Estado, agentes de segurança convocaram uma assembléia geral entre as categorias marcada para a manhã desta sexta-feira (14). O objetivo é discutir qual posição irão tomar na tentativa de pressionar a administração do estado, umas das possibilidades é repetir a paralisação iniciada em 19 de dezembro do ano passado.
A Associação dos Cabos e Soldados da PM/RN (ACS) se pronunciou ainda na quarta-feira (12), logo após a negação do TJRN, através de redes sociais, chamando a prerrogativa como uma “desvalorização do profissional e com a população”. De acordo com o presidente, Roberto Campos, a “tropa já tem falado sobre paralisação”, mas nada foi definido ainda. Eles irão se reunir na sexta-feira para definir quais serão os próximos passos.
Além dos salários atrasados, há quatro anos existe um congelamento na remuneração dos profissionais. Para os representantes da ACS, existe esperança que a próxima gestão “tenha a sensibilidade” e consiga colocar as folhas em dia. Além do desgaste dos policiais em trabalharem com operações que demandam um alto nível de estresse, a preocupação com a situação financeira agrava a situação.
Já o Sindicato de Policiais Civis (Sinpol) alegou que a negativa não foi uma surpresa, visto que o adiantamento às vésperas de um novo gestor assumir não é muito indicado para os cofres do Estado. Por enquanto, o sindicato diz que não fará nenhuma mobilização, mas que também irá fazer uma reunião.
Em nota, a Associação dos Subtenentes e Sargentos Policiais e Bombeiros Militares do RN (ASSPMBMRN), também se posicionou. “A ASSPMBMRN se une ao sentimento de revolta instalado hoje nos militares estaduais, bem como os demais servidores públicos. Em resposta a isto, nesta sexta-feira (14) nos reuniremos com todos os presidentes das entidades que representam os servidores da Segurança Pública para discutir qual a atitude que iremos tomar. Infelizmente não está descartado acontecer o mesmo que aconteceu no final de 2017”.
Por meio de nota, o Governo do RN afirmou que vê com preocupação a negativa do TJ para uma operação inclusive já realizada por gestões anteriores, a fim de viabilizar pagamento de parte do décimo-terceiro. Mas garantiu que segue em suas demais tratativas para a solução do problema.
A paralisação que durou 23 dias
No ano passado, os agentes de segurança paralisaram as atividades durante 23 dias. Ao longo da greve, a violência aumentou no estado e principalmente em Natal. Por isso, a Força Nacional foi acionada e 100 homens foram enviados ao RN para tentar controlar a situação nas ruas.
Além disso, o governo federal enviou 2,8 mil homens das Forças Armadas, no dia 30 de dezembro, para reforçaram o patrulhamento. A permanência das Forças Armadas no RN seguiu até o dia 12 de janeiro deste ano.
13º salário atrasado desde 2017
O governo do RN não tem hoje recursos para quitar o 13º salário de seus servidores, que estão atrasados desde 2017. A gestão dependia de uma decisão judicial para poder pagar o restante do 13º de 2017, que foi negada pelo TJ.
Da mesma maneira que não há recursos para esses quitar os dois décimos, também não há – hoje – dinheiro para quitar o salário de dezembro. Tatiana Mendes Cunha, chefe da Casa Civil, explicou que agora será concluída a folha de outubro e que semana que vem começará a ser feito o pagamento de novembro.

Texto/OP9
<

comentário(s) pelo facebook:

6 comentários:

  1. Tem todo meu apoio parabéns aos policiais quem trabalha de graça e relogio

    ResponderExcluir
  2. Vejo com preocupação o posicionamento do judiciário do estado. Eles tem excedentes de caixa e não repassam esse excedente para o execultivo pagar o salário do funcionário público. Eles fazem a farra co o nosso dinheiro, estão em pé de igualdade com os políticos ( todos farinha do mesmo saxo), pois tem auxílio moradia ( vivem de aluguel), auxílio paletó, duodécimo e tantos outros direitos e nós ficamos chupando o dedo.
    Não homens que defendem as leis para seu próprio benefício, logo não promovem a justiça. A lei só é justa quando favorece a coletividade, quando promove os excluídos, quando defende o direito de sobrevivência. O salário é o que garante a sobrevivência e é um direito essencial.

    ResponderExcluir
  3. Já era para ter parado. Quando não se opera a justiça, opera-se aforça.

    ResponderExcluir
  4. Agora é a vez da justiça terminar de afundar esse país de merda. Até quando vamos ser escravos dessas instituições q ñ estão nem ai pra sociedade. 3 poderes q se servem como quer, queria ver qual era a posição do judiciário se ñ recebecem seus proventos no fim do mês. Basta de abusos valores incompatíveis com a situação do país chega o povo ñ aguenta mais tanta exploração senhores dos poderes políticos e judiciário

    ResponderExcluir
  5. Gostaria de informar aos q fazem o site passando na hora, q estão cometendo um erro em relação aprovações de comentários no site. Estamos numa democracia! onde houve sangues derramados pelo direito de pensamentos e expressões, q meio de comunicação é o site passando na hora q ao produzir essa diretriz ou política vai contra o conceito da própria imprensa e anseios populares

    ResponderExcluir

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste blog. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
* NÃO SERÃO AUTORIZADOS COMENTÁRIOS COM PALAVRAS DE TEOR OFENSIVO COMO XINGAMENTOS, PALAVRÕES E OFENSAS PESSOAIS.